Conhecer as Pessoas

Às vezes, de repente, penso que com a idade fiquei a conhecer menos as pessoas. Mas não é verdade. O que acontece é que antes as «conhecia» segundo a lógica comum: «Ela faz isto porque…» Mas depois, e porque essa lógica era insuficiente e parecia sempre mal disfarçada, passou a interessar-me mais uma outra: é uma espécie de «lógica oculta». Certas reacções, desculpas sem qualquer aderência à realidade, «erros», «gafes», persistir em comportamentos «ilógicos», etc. Somos tudo isso e tudo isso faz muito pouco sentido para a lógica comum. Mas nós temos outra lógica, e essa, sim, é a que conta. Procurar entendê-la é o que nos faz chegar aos outros, e gostar deles (ou não) sem muitas condições: as que normalmente são as restrições da lógica comum.

José Riço Direitinho, in ‘O Escuro que te Ilumina’